Depressão Pós-Parto

A depressão pós-parto ocorre logo após o parto. Os sintomas incluem tristeza e desesperança. Muitas novas mães experimentam alterações de humor e crises de choro após o parto, que se desvanecem rapidamente. Elas acontecem principalmente devido às alterações hormonais decorrentes do término da gravidez. No entanto, algumas mães experimentam esses sintomas com mais intensidade, dando origem à depressão pós-parto. Raramente, pode ocorrer uma forma extrema de depressão pós-parto, conhecida como psicose pós-parto.

Acreditava-se que somente as mães sofriam desse mal, no entanto, novos estudos mostram que elas também podem afetar os pais.

Depressão pós-parto não é uma falha de caráter ou uma fraqueza. Se você tem depressão pós-parto, o tratamento imediato pode ajudar a gerir os seus sintomas e desfrutar de seu bebê.

Mudanças físicas

Após o parto, ocorre uma queda dramática nos hormônios estrogênio e progesterona, e essas mudanças por si só podem contribuir para um quadro de depressão pós-parto. Outros hormônios produzidos pela glândula tireoide também pode cair bruscamente - o que pode aumentar o cansaço e sensação de tristeza. Mudanças no seu volume de sangue, pressão arterial, sistema imunológico e metabolismo podem contribuir para a fadiga e alterações de humor.

Fatores emocionais

Quando você está privado de sono e sofrendo algum tipo de estresse ou pressão psicológica, você pode ter problemas para lidar com situações do dia a dia. A mãe também pode se sentir menos atraente ou sentir que perdeu o controle sobre sua vida. Qualquer um desses fatores pode contribuir para a depressão pós-parto.

No caso dos homens, a depressão pós-parto pode surgir por conta da preocupação com sua própria capacidade de educar um recém-nascido. A ansiedade em prover uma boa vida para a criança, o aumento das responsabilidades e o suporte que se deve dar ao parceiro(a) estão entre as causas do problema. Apesar de essas causas serem comuns nos pais, também podem ocorrer com as mães.

Estilo de vida

Muitos fatores de estilo de vida podem levar à depressão pós-parto, incluindo um bebê exigente, dificuldade de amamentação, filhos mais velhos com ciúmes, problemas financeiros, falta de apoio do parceiro ou de outros entes queridos.

Fatores de risco para depressão pós-parto incluem:

 

  • História de depressão pósparto anterior

  • Falta de apoio da família, parceiro e amigos

  • Estresse, como um recém-nascido doente, problemas financeiros ou problemas familiares

  • Limitações físicas anteriores ou após o parto

  • Depressão durante a gravidez

  • Depressão anterior

  • Transtorno bipolar

  • História familiar de depressão ou transtorno bipolar

  • História de desordem disfórica pré-menstrual (PMDD), que é a forma grave de tensão pré-menstrual (TPM)

  • Violência doméstica, que podem aumentar durante a gravidez e quando um casal está se ajustando a um novo bebê. Se o seu parceiro é violento ou emocionalmente abusivo, você e seu bebê estão fisicamente em risco, e você tem um maior risco de depressão pós-parto. Procure ajuda se possível.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Fatores de risco para psicose pós-parto incluem:

 

  • A história pessoal ou familiar de transtorno bipolar

  • Psicose pós-parto anterior.

 

Sintomas de Depressão pós-parto

 

Os dois sintomas mais comuns da depressão são:

 

  • Sentimento de tristeza ou desespero constante

  • Perder o interesse ou não sentir prazer na maioria das atividades diárias.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Um sintoma particularmente grave de depressão é pensar na morte e suicídio. Algumas pessoas com depressão pós-parto também podem ter uma vontade súbita e assustadora de prejudicar seus bebês.

Quase todos os dias, você também poderá:

 

  • Perder ou ganhar peso

  • Vontade de comer mais ou menos do que o habitual

  • Dormir muito ou não dormir o suficiente

  • Inquietação ou indisposição

  • Cansaço e energia

  • Sentimento de indignação ou culpa

  • Dificuldade para se concentrar ou tomar decisões

  • Ansiedade e excesso de preocupação.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Psicose pós-parto

 

Esta condição grave é mais susceptível de afetar as mulheres que têm distúrbio bipolar ou histórico de psicose pós-parto. Os sintomas, que começam geralmente durante as primeiras três semanas após o parto, incluem:

  • Sentirse desconectada com seu bebê e com as pessoas em seu entorno

  • Sono perturbado, mesmo quando o bebê está dormindo

  • Pensamento extremamente confuso e desorganizado, aumentando o risco de prejudicar o bebê, a si mesma ou qualquer pessoa

  • Mudanças drásticas de humor e comportamento bizarro

  • Extrema agitação ou inquietação

  • Alucinações, que pode ser visuais, auditivas, olfativas ou pode contato

  • Pensamento delirante que não se baseia na realidade.

 

Buscando ajuda médica

 

Se você tiver pelo menos cinco dos sintomas acima por duas semanas ou mais, e um dos sintomas é ou tristeza ou perda do interesse, você pode ter depressão pós-parto e precisar de tratamento.

Ainda que você não tenha outros sintomas além da tristeza ou indisposição, é importante buscar ajuda médica e conversar sobre os benefícios que um tratamento poderia trazer. Quanto mais cedo você começar o tratamento, melhor será a sua chance de uma recuperação rápida e completa.

Se você está se sentindo deprimido após o nascimento do seu bebê, você pode estar relutante ou vergonha de admitir isso. Mas é importante chamar o seu médico se os sinais e sintomas de depressão piorarem e prejudicarem suas atividades.

Para pessoas que tem sintomas de psicose pós-parto, deve ser tratada como uma emergência que requer tratamento médico imediato. Se você ou sua parceira tiver quaisquer sintomas psicóticos, procure ajuda de emergência imediatamente.

 

Na consulta médica

 

Especialistas que podem diagnosticar uma depressão pós-parto são:

  • Psicólogo

  • Psiquiatra

  • Endocrinologista

  • Ginecologista e Obstetra

 

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

 

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram

  • Histórico médico, incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele tome com regularidade

  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

 

Psicoterapia

 

O aconselhamento ajuda a prevenir e tratar a depressão-pós parto e depressão durante a gravidez. Para melhorar o sucesso do tratamento, ambos os pais devem tentar participar.

  • Terapia cognitivocomportamental ajuda a tomar conta da maneira como você pensa e sente.

  • Aconselhamento interpessoal fornece suporte emocional e ajuda na resolução de problemas e definição de metas.

O seu médico ou médica pode recomendar um(a) psicólogo(a) ou psiquiatra que se especializou no tratamento da depressão pós-parto. Para tratar eficazmente a depressão, é importante que você e seu conselheiro tenham uma relação confortável.

Você também pode se beneficiar de:

  • Ter um(a) babá durante meio período ou em tempo integral

  • Exercícios para fortalecer os laços entre paciente e bebê.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

Fonte: Minha Vida